Não há espaço para carros em uma grande cidade, afirma Eduardo Paes

Invalidez por acidentes no trânsito aumenta 30% em 2013
7 de junho de 2013
Colaboradores do Setransp fazem avaliação de desempenho
14 de junho de 2013

 

Os dois maiores municípios do Brasil concentram 16,82% do PIB e 9,2% da população do país. Como todas as grandes cidades, Rio e São Paulo têm como desafio manter o crescimento ao mesmo tempo em que se tornam mais sustentáveis. Cidade sustentável utiliza pouco carro, tem transporte público de qualidade mesmo em deslocamentos pequenos e tem espaços verdes para que as pessoas desfrutem, diz o prefeito do Rio, Eduardo Paes.

 

Para o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, a sustentabilidade deve levar em conta também fatores sociais, como moradia. Se você está a uma longa distância do seu posto de trabalho, por mais que exista transporte público, ele sempre vai estar sobrecarregado. Trata-se de construir mais metrôs, corredores de ônibus e monotrilhos, mas também de distribuir melhor as oportunidades de emprego onde não há emprego e de moradia onde há emprego e não há morador, destaca.

 

Segundo ele, é preciso estimular a iniciativa privada para que ela ajude o poder público a organizar a cidade de forma mais adequada. Estamos estimulando o comportamento de manada. Todos os empresários vão para o mesmo bairro, erguem grandes edifícios, complicam o trânsito, concentram o emprego, obrigam o município a criar rotas de transporte público cada vez mais distantes e congestionam o ambiente. Você tem esse ciclo vicioso do qual nós queremos nos libertar, aponta.

 

Um dos maiores entraves ao transporte público é a grande utilização de carros. Em qualquer grande cidade, o espaço para o automóvel é nenhum. Ônibus e carro não são solução para a cidade, afirma Paes. O prefeito do Rio acredita que o futuro é o transporte público de qualidade e que os carros deverão ser usados apenas em ocasiões especiais.

 

Em São Paulo, a aposta também é o transporte público. Por enquanto, a cidade não tem faixas exclusivas para os coletivos, mas o objetivo do prefeito é resgatar o plano de construção de corredores de ônibus e baratear a tarifa. O conceito do Bilhete único mensal veio nesse espírito. Quanto mais a pessoa usa, menos ela paga, diz Haddad. Segundo ele, foram levados a Brasília projetos da ordem de R$ 4 bilhões para ampliar a quantidade de vias segregadas.

 

Apontada como solução sustentável para pequenos deslocamentos, a bicicleta também está na pauta. Segundo Paes, a rede cicloviária da cidade saltou de 150 quilômetros para 300 quilômetros. A meta é chegar a 450 quilômetros até 2016. Ele destaca que é preciso também uma mudança cultural. O motorista, ou o sujeito com aquela arma chamada carro, não respeita o ciclista. Tem também o outro lado. O ciclista tem que entender que ele tem regras a respeitar, que ele não anda em qualquer lugar, diz o prefeito do Rio.

 

Na capital paulista, além de dar acesso a ônibus, metrô e trem, o Bilhete único também permite que o usuário utilize as bicicletas públicas. Todos os 150 quilômetros de corredores que nós vamos construir vão contar com a ciclovia, aponta Haddad. O prefeito planeja ainda explorar rotas alternativas, que podem ser preparadas para o tráfego de motocicletas e bicicletas. Até o final do mandato, ele pretende ter na cidade 400 quilômetros de ciclovias.

 

Fonte: G1 | GLOBO NEWS

Os comentários estão encerrados.

ATENÇÃO!!!

Clique aqui para acessar o site da Aracajucard