Invalidez por acidentes no trânsito aumenta 30% em 2013

Alunos de pós-graduação e ensino à distância da UFS não recadastram no período especial
5 de junho de 2013
Não há espaço para carros em uma grande cidade, afirma Eduardo Paes
7 de junho de 2013

O número de pessoas que ficaram permanentemente inválidas depois de sofrerem algum tipo de acidente no trânsito brasileiro cresceu 30% no primeiro trimestre de 2013, em comparação com o mesmo período de 2012.

Os dados são de um levantamento realizado pela Seguradora Líder, administradora do Dpvat (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres), popularmente conhecido como Seguro Obrigatório.

Sete em cada dez indenizações pagas pelo Dpvat são por invalidez. Com o crescimento registrado nos três primeiros meses deste ano, a quantidade de pagamentos chegou a 85 mil indenizações. No mesmo período do ano passado, havia sido 64 mil.

Ainda de acordo com um levantamento, a quantidade de indenizações pagas por invalidez chega a ser três vezes maior do que aquelas pagas para reembolso de gastos com medicamentos e despesas hospitalares.

A maior parte das pessoas que ficam inválidas são as que utilizam motocicletas. Sessenta e cinco por cento das indenizações são pagas a motociclistas.

A assessora de assuntos institucionais da Seguradora Líder, Ângela Amparo, informou que esta concentração em torno dos motociclistas se dá pela falta do uso de equipamentos de segurança e pelas próprias características do veículo.

Uma simples queda de motocicleta já é capaz de acarretar muitos danos aos ocupantes, diz Ângela.  Treze por cento das pessoas que ficaram inválidas eram pedestres que se envolveram em acidentes com veículos, como atropelamentos.

O Dpvat registrou queda de 1% das indenizações pagas por morte no trânsito. No primeiro trimestre, foram registrados 15 mil pagamentos de seguro em virtude de morte no trânsito.

Fonte: UOL

Os comentários estão encerrados.