Segurança e conforto nos ônibus de Aracaju

BRT foi grande trunfo nas olimpíadas 2016
23 de outubro de 2009
Fortaleza terá tarifa menor fora da hora de pico
30 de outubro de 2009

Mesmo com a crise pela qual passa o setor de transportes, os empresários não estão medindo esforços para honrar o compromisso assumido com a população aracajuana de renovação da frota. Prova disso são os 52 ônibus novos que foram colocados em circulação, gradativamente, desde abril deste ano, pelas empresas VCA, Modelo e São Cristóvão.

As empresas investiram R$17,5 milhões na compra de ônibus modernos, equipados com câmeras, cofres, elevador para deficientes, assentos preferenciais para obesos e GPS (Sistema de Posicionamento Global – tecnologia que possibilita o monitoramento da frota em tempo real fornecendo dados como itinerário, paradas e velocidade de tráfego).

A maior parte desses ônibus possui três eixos, proporcionando, assim, maior espaço interno e, consequentemente, mais conforto aos usuários. Enquanto os ônibus tradicionais têm 12 metros e transportam 80 passageiros, os novos têm 15 metros e podem conduzir até 120 pessoas.

Essa primeira parte da renovação significa uma modernização de 8,47% na frota total de Aracaju e região metropolitana, que é formada, atualmente, por 614 ônibus. A segunda parte da renovação acontecerá até dezembro deste ano, quando serão entregues os ônibus da Viação Progresso.

 

CUSTOS

Renovar a frota, no entanto, não é tarefa fácil para as empresas de transporte de passageiros que atuam na capital sergipana e Grande Aracaju. “Ao longo dos anos fomos perdendo o nosso poder de investimento. O setor hoje tem muitas. Não gostaríamos de ter uma frota envelhecida, pois esse é o nosso negócio há mais de 60 anos. Queremos servir bem à população. Para isso, porém, é preciso haver investimento público e priorização do ônibus sobre o transporte particular nas vias”, analisa o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Município de Aracaju – SETRANSP – Adierson Monteiro.

Um agravante desse problema é que além das despesas com óleos, pneus, combustível e pessoal, as empresas também têm que arcar com os altos impostos e taxas municipais (a exemplo do ICMS sobre o óleo diesel que é de 17%). “Com combustíveis, pagamos 24,49%; com óleos e lubrificantes, 2,16%; pneus, 7,03%; peças e acessórios, 5,86%. As despesas com pessoal somam 40,02%, os impostos e taxas 13,65% e as despesas administrativas são responsáveis por 1,51%. No final de tudo isso sobram apenas 3,13% para os empresários investirem na renovação da frota. Desse modo, é totalmente equivocada a ideia de que somos tubarões, ladrões ou coisas do gênero”, explica Adierson Monteiro.

Além disso, em Aracaju, diferente do que acontece em outras capitais, a tarifa não possui qualquer tipo de subsídio governamental. Para agravar ainda mais a situação, a tarifa calculada com base na planilha tarifária para 2009 foi de R$ 2,07, no entanto, na prática ficou em R$1,95, uma defasagem de 6,15%, fato que ocorre desde 2004. De lá pra cá, a tarifa praticada vem se mantendo abaixo da calculada em todos os anos. Esse déficit tarifário acarretou ao setor, ao longo de seis anos, um prejuízo de quase R$80 milhões. Com esse valor, seria possível adquirir e colocar em circulação mais de 300 novos ônibus.

 

Os comentários estão encerrados.

ATENÇÃO!!!

Clique aqui para acessar o site da Aracajucard