Fortaleza terá tarifa menor fora da hora de pico

Segurança e conforto nos ônibus de Aracaju
27 de outubro de 2009
Dúvidas? Acesse o Mais Aracaju
4 de novembro de 2009

A falta de um sistema de transporte público de qualidade, com conforto, segurança e pontualidade contribui para o caos diário enfrentado por condutores, usuários de ônibus e vans e pedestres.

Mudar isso e dotar a cidade de um sistema viário funcional é um dos grandes desafios de Fortaleza. Uma das primeiras medidas a ser adotada pela Prefeitura é reduzir o preço da passagem de ônibus fora dos horários de pico.

A informação foi anunciada, na tarde de ontem, pelo presidente da Empresa de transporte Urbano de Fortaleza S.A. (Etufor), Ademar Gondim. A tarifa inteira atual é de R$ 1,80. Como incentivo, pode chegar a R$ 1,20, a exemplo da tarifa social, aos domingos.

A ideia, ainda sem data para entrar em vigor, é avaliada pela Prefeitura como uma das alternativas para acabar com filas quilométricas, empurra-empurra nos terminais rodoviários e muita reclamação dos passageiros. Gondim exemplifica com a sua faxineira. Ela trabalha das 10 às 20 horas e só pega o ônibus depois do horário de sufoco. Assim como ela, muitos podem fazer isso sem problema.

A diminuição da tarifa é vista com bons olhos pelos empresários do sistema. O representante do Sindicato das Empresas de transporte de passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), Dimas Barreira, adiantou que essa é uma das alternativas mais bem-vindas por todos do setor. Temos um serviço carente nos horários de pico e abundante fora dele. É preciso incentivar a população a preferir andar de ônibus nessas horas e, com isso, equilibrar o sistema, salientou.

A redução da tarifa também é festejada pelos proprietários do transporte complementar. O presidente da Cooperativa de transporte Complementar, Marcos Vinícius Albuquerque, afirma que quanto mais rápido a medida entrar em vigor, melhor para todos. Nem acreditei quando ele (Gondim) falou com a gente. Acho a ideia excelente, diz.

O deputado federal Chico Lopes, autor de requerimento que originou seminário sobre o transporte coletivo urbano, realizado na Assembleia Legislativa, declarou-se a favor da redução. No entanto, externou outras preocupações relativas ao assunto, como a acessibilidade e investimentos no transporte não só em Fortaleza, mas em toda a Região Metropolitana.

Vem aí a Copa do Mundo e independente dela, nossos problemas de mobilidade urbana precisam ser resolvidos para além dela. Segundo ele, além do transporte, as vias urbanas são grandes desafios.

 

OUTRAS MEDIDAS

A tarefa para melhorar o trânsito em Fortaleza não se resume a redução de tarifa de ônibus e vans e sim medidas mas duras para quem tem veículo particular. A Prefeitura também deverá acabar com os estacionamentos nos principais corredores do Centro, Aldeota, Dionísio Torres, Bairro de Fátima, Praia de Iracema, Náutico e Papicu.

Na avaliação de Ademar Gondim, representante da prefeita Luizianne Lins no seminário sobre mobilidade urbana, eles dificultam e muito o tráfego. Um dos exemplos, aponta, é aquele existente pouco antes do cruzamento das avenidas Desembargador Moreira e Santos Dumont. Ali é um caos, toda vez que um veículo tenta parar ou sair do estacionamento, fica uma fila quilométrica de veículos aguardando a liberação da via.

Segundo ele, a implantação de estacionamentos pagos no entorno dessas grandes vias será a saída para quem insistir em circular de carro. É preciso uma medida firme para fazer com que o dono do veículo pense duas vezes em tirá-lo da garagem e encher as ruas da cidade, complicando o trânsito.

Isso, afirma, contribuirá para o aumento da velocidade média dos coletivos, atualmente em 10 Km por hora. Antes chegava a 23Km horários. A instalação de ar-condicionado nos coletivos é outra opção estudada pela Prefeitura e empresários do setor. Isso motivaria ainda mais o pessoal de classe sociais mais elevadas utilizarem o ônibus sem problema.

As duas ações, destaca o coordenador do Transfor, Daniel Lustosa, vão se aliar as obras realizadas em toda a cidade. Serão 45 Km de corredores exclusivos para ônibus e vans e 23 de ruas e avenidas restauradas. O primeiro trecho do Transfor a ser entregue à população é o que liga os terminais do Antônio Bezerra ao Papicu. Até o fim de 2010 vamos inaugurar essa primeira parte, diz.

 

Fonte: DIÁRIO DO NORDESTE – CE

Os comentários estão encerrados.

ATENÇÃO!!!

Clique aqui para acessar o site da Aracajucard