Setransp participa de debate nacional sobre mobilidade sustentável e convida jornalista de SE

Gratuidades no transporte público urbano pagas pelos usuários é injustiça social
5 de julho de 2013
NTU enumera oito propostas para a melhoria do transporte público coletivo urbano no Brasil
10 de julho de 2013

O superintendente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Aracaju (Setransp), José Carlos Amâncio, participou nesta quinta e sexta-feira, do Seminário Nacional da NTU 2013, com o tema Mobilidade Sustentável Para Um Brasil Competitivo, cujo enfoque, segundo Amâncio, foi debater os desafios de se oferecer um serviço de transporte coletivo urbano de qualidade e as dificuldades que o setor tem enfrentado ao longo dos anos para que isso aconteça.

 

A convite do Setransp, o jornalista André Barros esteve participando do seminário, representando a imprensa sergipana no evento. Entre os assuntos abordados, o jornalista destacou os as necessidade de implantação de corredores de ônibus para prioridade do transporte público e, consequentemente, o BRT (Bus Rapid Transit).

 

Chamou minha atenção no seminário a analise de que a implantação de um sistema como o BRT está associada diretamente à saúde da população. Onde as pessoas podem associar  a caminhada ou o uso de bicicleta para o deslocamento até o local de uso de um sistema de transporte de qualidade como o BRT. É um fato importante, e, apesar dos investimentos que precisam ser fetos nesta área em nossa cidade, a relação custo/benefício do BRT é insuperável, comparando a outras modalidades como metro e VLT, por exemplo, disse André Barros, jornalista do Correio de Sergipe e da rádio Jovem Pam, fazendo referência a explanação do coordenador do Departamento de Saúde Pública e Meio Ambiente da Organização Mundial da Saúde (OMS), Carlos Dora, sobre o BRT e a saúde pública.

 

Já o presidente executivo da Associação das Empresas de Transporte Urbano (NTU), Otávio Cunha, defendeu, durante o seminário, que é necessário vontade política para que aconteçam as mudanças necessárias. Nós, operadores desse sistema, que é alvo de tanta insatisfação e críticas, não temos orgulho do transporte público que está aí, nas ruas. Mas é preciso que se entenda que este é o serviço possível nas condições em que ele é planejado, contratado e gerenciado pelo poder público nos dias hoje, reclamou ele, cobrado iniciativa dos Estados e Municípios para desoneração do custo do transporte, como foi feito pelo Governo Federal, buscando melhorias no sistema.

Os comentários estão encerrados.