Fazer corredor de ônibus é mais barato que qualquer obra

Finalmente saíram da falácia para projetos sérios
1 de março de 2012
SMTT adota novos corredores livres no Centro
5 de março de 2012

Especialistas apontam medidas para priorizar o transporte coletivo e aliviar os congestionamentos São Paulo deveria ter priorizado o transporte coletivo há muito tempo. “Fazemos dois quilômetros de Metrô por ano, mas precisamos de dez”, afirma Plínio Assmann, o responsável pela implantação do Metrô paulistano na década de 1970. “Agora estamos dando um passo importante e vamos ter a construção de três linhas ao mesmo tempo. Chegaremos a cinco quilômetros por ano”, prevê Assmann.

Especialistas apontam a importância de se priorizar o transporte coletivo para reduzir o trânsito na cidade. “Precisamos triplicar o número de corredores de ônibus”, diz Ailton Brasiliense Pires, presidente da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos). “Fazer corredor de ônibus é muito mais barato que qualquer obra”, acrescenta ele.

Para Cláudio de Senna Frederico, secretário de Transportes Metropolitanos entre 1995 e 2001, é preciso limitar a circulação de veículos, restringindo o estacionamento e reduzindo faixas de rolamento para ampliar calçadas, criar ciclovias e corredores de ônibus.

Os governos investem muito em obras viárias, que incentivam o transporte individual. Nos últimos quatro anos, a Prefeitura aplicou R$ 72,5 milhões em corredores de ônibus, mas gastou R$ 185 milhões só em obras no corredor Radial Leste.

A administração estadual investiu R$ 4,3 bilhões nos últimos cinco anos na CPTM (Companhia Metropolitana de Transportes Metropolitanos), enquanto destinava R$ 6,5 bilhões para obras do Rodoanel, Marginal Tietê e Avenida Jacu-Pêssego. O Metrô recebeu R$ 7,3 bilhões no período.

Região metropolitana – Frederico quer que a rede do Metrô chegue aos municípios vizinhos de São Paulo e que os trens da CPTM desenvolvam velocidades acima de 100 km/h. Além disso, ele defende corredores de ônibus de alta capacidade, sistema de ônibus com privilégio de circulação e reescalonamento de horários.

“Até o Metrô ter uma rede significativa, precisamos de corredores de ônibus”, preconiza Assmann. “É  pena não termos entendido isso há alguns anos”, lamenta o ex-presidente do Metrô, lembrando que um corredor de ônibus demora cerca de dois anos para ficar pronto.

São Paulo dispõe de apenas dez corredores. O último foi inaugurado há sete anos. Agora, a Prefeitura divulga que prepara licitações para mais três, em Santo Amaro, na Radial Leste e o da Berrini, na Zona Sul.

 

Sociedade quer obras para carros, diz diretor da ANTP

 

O sistema viário está saturado, mas mesmo assim a sociedade pressiona os governos por obras viárias, favorecendo o transporte individual. A opinião é de Ailton Brasiliense Pires, presidente da ANTP. “Todo mundo quer espaço para o automóvel,  embora seja mais importante para uma cidade como São Paulo, que sofre com o trânsito, empregar os recursos em novos corredores de ônibus”, afirma Pires. “Ônibus ocupam menos espaço nas vias públicas e transportam muito mais gente que os carros”, acrescenta o presidente da ANTP.

O especialista também critica o crescimento desordenado, que leva os mais pobres a morar em bairros afastados. “Não é equilibrado esse contingente enorme passar mais de uma hora no trânsito para chegar aos bairros centrais e, depois, mais uma hora para voltar para casa”, diz ele.

O dirigente defende planos urbanos que reorganizem a cidade e permitam que as pessoas possam trabalhar perto de casa.

Fonte: Rede Bom Dia (www.redebomdia.com.br)

Os comentários estão encerrados.