Pesquisa aponta que trânsito desordenado é vilão da mobilidade

Sindicato do RN realiza visita técnica em Aracaju
3 de novembro de 2011
Sesc agradece parceria do Setransp em evento voltado para idosos
8 de novembro de 2011

Os congestionamentos do trânsito de Aracaju foram apontados em uma recente pesquisa do Instituto Única como um dos principais fatores responsáveis pelos atrasos dos ônibus coletivos. O Única identificou que, na opinião popular, a implantação de corredores de ônibus seria o mecanismo mais viável para proporcionar a melhor mobilidade do serviço do transporte público. A Pesquisa de Satisfação encomendada pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Município de Aracaju (SETRANSP), segundo o seu presidente Adierson Monteiro, revela que a população está de acordo com as reivindicações feitas pelo sindicato. 

“O Setransp encomendou em 2008 um projeto para implantação de corredores de ônibus em Aracaju, pelo menos em horários de pico, faixas preferências e mais vias de mão dupla. No entanto, até hoje, o projeto permanece em estudo. O poder público precisa emplacar medidas como essas que proporcionem a mobilidade dos ônibus que são veículos que transportam a maior parte da população, e com isso acabarão por estabelecer uma melhor fluidez no trânsito. Observamos a iniciativa da prefeitura em apresentar um Plano de Mobilidade, mas é importante também que o projeto de revisão do Plano Diretor da cidade seja aprovado já com adequações para a mobilidade urbana”, considerou Adierson Monteiro, alertando, inclusive, a Câmara Municipal de Vereadores, que está avaliando o Plano Diretor.

Segundo ele, só na Grande Aracaju, cerca de 300 mil pessoas utilizam o transporte coletivo diariamente, mas, “por conta dos congestionamentos e outras paradas, muitas mal delimitadas, como os quebra-molas, os ônibus circulam com uma velocidade média de 14km/hora”, muito abaixo do necessário para cumprir os horários demarcados de paradas em cada ponto.

“É uma situação angustiante para as empresas de ônibus que não vê estrutura viária, nem ordenamento no trânsito, para operar de maneira mais eficiente. Nosso cliente quer mobilidade, mas a cidade não dá as condições necessárias para o ônibus, que é o meio de transporte mais usado, efetuar seu serviço de maneira cada vez mais ágil”, afirmou o presidente do Setransp.

Na pesquisa, os índices de satisfação com as condições dos veículos e adequações a mecanismos de acessibilidade marcaram 63,8% de aprovação. Em contrapartida, 75,5% dos usuários reclamaram que os constantes engarrafamentos prejudicam o cumprimento dos horários dos ônibus, e 59% considera a criação de corredores de ônibus como a solução. Durante o mês de agosto deste ano, o Instituto Única ouviu 800 usuários e 400 colaboradores do transporte. E entre as principais críticas estavam: trânsito lento e desordenado, engarrafamentos e a falta de vias preferências para ônibus.

Os comentários estão encerrados.