O que acontece depois de um acidente de trânsito?

Para Copa de 2014, Salvador terá sistema de transporte multimodal
22 de julho de 2011
Dia do Motorista é comemorado com programação especial
22 de julho de 2011

Alguns querem chegar cinco minutos mais cedo e resolvem acelerar mais do que o permitido. Outros pensam que o volante é só mais um brinquedo proporcionador de aventuras regadas de adrenalina. O destino de muitos desses, infelizmente, é desolador: Feridos, psicológica e fisicamente, podem ser até considerados pessoas de sorte. Não raro, mortes são causadas nos acidentes de trânsito.

Diante da gravidade de grande parte dos acidentes de trânsito, é comum pessoas se sentirem como que nascidos novamente após conseguirem se safar com vida após batidas, capotamentos, colisões de diversos gêneros e graus. O que resta para quem sobreviveu a acidentes graves é agradecer e superar os traumas para voltar a dirigir.

Superação
O motorista Osvaldo Gaudêncio Cabelo, que tem quase dez anos de experiência na boleia do caminhão, nunca imaginava que, naquela curva simples, na rodovia Fernão Dias, na grande São Paulo, teria de passar pela pior experiência da sua vida: o tombamento de seu caminhão, que estava carregado com livros de uma editora de Guarulhos.

Ele conta que os pallets de madeiras da carga quebraram e forçaram todo o peso da carga para o lado contrário da curva. Depois disso, recorda-se, foi um grande desespero. “Barulho da lata, vidro quebrando e pedindo a Deus pra nada de ruim acontecer”.

Com o braço gravemente fraturado e com escoriações nas costas, o motorista ficou quinze dias internado em Guarulhos e, após cirurgia, teve de ficar quatro meses parado sem dirigir.

“Depois que me recuperei, voltei a trabalhar. Mas hoje tenha mais medo e receio. A cada curva que faço, parece que o caminhão vai tombar de novo. E por coincidência, minha primeira carga após o acidente foi de livro e na mesma rodovia. Quando passei no local de acidente e vi o rastro dos pneus no chão, deu um calafrio”, revela Cabelo.

Trauma
A psicóloga Gescielly Tadei, professora do Cesumar, diz que uma reação denominada de transtorno de estresse pós-traumático é sintoma frequente de quem já sobreviveu a graves acidentes de trânsito. “Esse transtorno é uma resposta a uma situação ou evento estressante, o qual pode ser de curta ou longa duração, de natureza ameaçadora que provoca sintomas desagradáveis de perturbação na maioria dos indivíduos”.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que acidentes de trânsito são a segunda causa de morte entre jovens de 5 a 29 anos e a terceira causa de morte entre pessoas de 30 a 44 anos de idade. Mais do que os dados da OMS, a psicóloga cita os casos de pessoas que sobreviveram a acidentes, mas que se tornaram incapacitadas fisicamente (paraplegia/ tetraplegia/ amputações de membros).

Fonte: O Diário

Os comentários estão encerrados.