Transporte público: solução para direito coletivo à mobilidade

Mudança da alíquota pode aumentar em R$ 300 milhões por ano os custos das empresas de ônibus, diz NTU
21 de agosto de 2015
Ônibus sofrem vandalismo e ficam inutilizados
10 de setembro de 2015

 

“Quando você constrói ou transforma uma cidade, deve ter em mente que suas consequências não vão repercutir apenas por cinco anos, mas por séculos”, é o que afirma o astrofísico do prêmio Nobel, Brian Schmidt. Uma cidade mais humana, menos desigual e com mobilidade urbana. Este é o discurso de dez em cada dez prefeitos em época de campanha. Mas como agir sobre uma cidade para que palavras se tornem ações efetivas? A receita é conhecida: aproximar a moradia do emprego, estimular a substituição do carro por modos mais limpos e coletivos, incentivar o adensamento populacional junto aos eixos de transporte coletivo de massa, levar mais emprego às periferias, diminuindo assim a necessidade de longas viagens.

 

O problema é que as dificuldades geralmente superam de longe as vontades. A começar do sistema federalista brasileiro, que transforma os prefeitos em meros executores de políticas federais. Um exemplo típico e recente é o da política habitacional. Não é de hoje que projetos de construção de habitação popular se dão de maneira isolada, sem dialogar nem com as famílias-alvo nem com a cidade. Cabe ao morador o ônus do transporte caro e demorado; ao governo, a expansão dos serviços (ou, o mais provável, a não prestação dos serviços, mesmo o de segurança). À sociedade fica o ônus da formação de guetos, escreve o arquiteto Sérgio Magalhães.

 

O sistema de transporte coletivo, foco de reclamações e demandas históricas, acaba se tornando vítima antes de conseguir se tornar solução: vítima da violência em bairros degradados, que ocasionam a queima de ônibus; vítima da separação emprego-trabalho numa cidade espalhada, que produz longas viagens e reduz o tempo útil e produtivo do cidadão, obrigado a morar cada vez mais longe. Como financiar, assim, o altíssimo custo do transporte metropolitano? A lista de entraves – problemas à espera de solução – é extensa e complexa. 

 

Planos diretores realistas e integrados a Planos de Mobilidade Urbana que disciplinem a construção imobiliária; enfrentamento dos interesses dos donos de automóveis; a convivência pacífica e integrada de diferentes modos de transporte, como vias exclusivas para bicicletas e ônibus; a recuperação do espaço urbano, democratizando-o e estimulando a mobilidade a pé… A recuperação da cidade, como se vê, passa por uma série de barreiras que precisam ser superadas. O transporte público, antes de vítima, precisa ser visto como parte da boa solução. E é preciso que se enxergue a mobilidade das pessoas como fator essencial de produtividade e sustentabilidade de uma cidade. A discussão trazida neste texto é uma reflexão da Associação Nacional das Empresas de Transporte (NTU). 

Os comentários estão encerrados.

ATENÇÃO!!!

Clique aqui para acessar o site da Aracajucard