Setransp cobra apresentação de projetos para transporte público

Posto da Unit reabre
27 de julho de 2012
Segunda edição do Clean Up The World acontece 15 de setembro
1 de agosto de 2012

Enquanto nesse período eleitoral diversos políticos fazem discursos sobre a situação do transporte coletivo, e, nesse ínterim, debatem sobre a necessidade de licitação ou não do sistema, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Aracaju (Setransp), provocado sobre o tema, cobrou um posicionamento concreto sobre o caos no transporte. Comentando a respeito, o presidente do Setransp, Adierson Monteiro, criticou o que ele chama de discursos de bravata.

É o Estado que gere a saúde, educação e segurança, e esses serviços já são um caos. Imagine se cuidasse também do transporte coletivo? Precisamos de um serviço de transporte público em Aracaju de qualidade, então não é os gestores públicos fazendo discursos de bravata que teremos soluções. O Executivo deve é apresentar projetos para investimentos no transporte, porque há um custo para se desenvolver um sistema de qualidade, mas de fato apesar de o transporte coletivo ser um serviço público é o único serviço que coloca dinheiro no Estado através da alta carga tributária e não recebe investimentos como os demais serviços, contestou Adierson.

Para Adierson, a sociedade precisa ser alertada sobre a realidade do que é o processo de licitação. O importante não é ter ou não licitação do transporte, até porque para o cidadão isso não interfere em nada. Licitação é um contrato entre as empresas de ônibus e a prefeitura, sendo assim é a única garantia que o empresário tem de recebimento sobre o serviço prestado inclusive com a tarifa sendo reajuste de maneira correta de acordo com a planilha de custo colocada no contrato, explicou ele, afirmando que a licitação não traz prejuízos para as empresas como muitos tentam jogar.

Segundo Adierson Monteiro, o Setransp nunca esteve contra a licitação. A ação que movemos foi por conta da forma como estava sendo feito o processo de licitação que não seguia as normas devidas. Pedimos em juízo que o edital fosse revisto, disse ele, defendendo que os candidatos nestas eleições apresentem propostas concretas para o transporte e não fiquem apenas em críticas fazias.

“Se o ônibus não tiver prioridade sobre os demais veículos, iremos continuar apenas com a falácia. É preciso vias exclusivas para os ônibus entre outros investimentos. É assim que acontece nas grandes cidades como Curitiba, onde o sistema de transporte é considerado como modelo de qualidade: o ônibus, que leva a maioria da população, é prioridade. É uma decisão política: os gestores vão priorizar a maioria que utiliza o ônibus ou vão optar por circular com seu carrão por onde quiser?, indagou Adierson Monteiro, citando os congestionamentos no trânsito, um dos principais fatores de maior influência para precariedade na mobilidade do transporte público.

Os comentários estão encerrados.

ATENÇÃO!!!

Clique aqui para acessar o site da Aracajucard