Em SP, motoristas bêbados mataram 62 em 2011

Posto Unit reabre
26 de janeiro de 2012
Falta de desoneração motiva reajuste da tarifa
30 de janeiro de 2012

Apesar das blitze da Lei Seca, o número de mortes provocadas por motoristas alcoolizados não para de crescer. Foram 62 mortes nas ruas e rodovias do Estado de São Paulo em 2011, o triplo de 2010, quando 21 pessoas morreram. Os dados constam de balanço divulgado ontem pela SSP (Secretaria de Segurança Pública).

O levantamento mostra, ainda, um aumento de 16% no número de veículos roubados na capital. Foram 40,5 mil, ante 34,9 mil casos em 2010. A cada hora, quatro carros foram roubados na capital. A cada hora, quatro carros foram roubados na capital.

O número de furtos, quando não há ninguém no veículo, continuou praticamente igual: 42,7 mil, no ano passado, e 42,9 mil, em 2010. No Estado, o número de ocorrências também cresceu (15,4%, no caso dos roubos, e 4,2%, no de furtos). Os roubos a residências também cresceram, saltando de 2.815, em 2010, para 3.314, em 2011.

A quantidade de mortes em acidentes e atropelamentos culposos (sem intenção) também subiu. Entre 2010 e o ano passado, os casos passaram de 694 para 701 – quase dois por dia. A partir deste ano, a Polícia Civil passará a divulgar mensalmente o número de homicídios dolosos de trânsito.

Segundo o delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro de Lima, como os assaltos a bancos e empresas oferecem mais riscos, os bandidos migraram para outros tipos de crime. Isso explicaria o aumento no número de casos.

“Bandidos que assaltavam bancos passaram a preferir crimes com menos riscos, como o roubo de carros. Eles pegam as vítimas de surpresa”. Segundo ele, a polícia prepara uma ofensiva contra os desmanches. “Temos de pegar os receptadores”, afirma Carneiro de Lima.

Fonte: noticias@band.com.br

 

Os comentários estão encerrados.