ITS atribuem mais eficiência aos Sistemas BRT

Governo sanciona lei de mobilidade
4 de janeiro de 2012
Marinete do Forró é uma das atrações do verão 2012
6 de janeiro de 2012

Mobilidade urbana, espalhamento urbano, acidentes de trânsito, meio ambiente, planejamento, melhoria da gestão, supervisão, fiscalização e controle. Essas são, na opinião do professor Cláudio Marte, palavras chave para compreender a aplicação dos Sistemas Inteligentes de Transportes (ITS). Em entrevista ao NTU Urbano, ele resumiu o que seria essa utilização e suas vantagens.

 

NTU Urbano – Por que os ITS?

Cláudio Marte – Nós temos um grande meio de transporte no Brasil que é o ônibus. Para pensar em soluções devemos lembrar que o impacto será na vida de milhões de pessoas, que afetará a economia do país e o próprio desenvolvimento dessa nação. Diante dessa preocupação de proporções inimagináveis é que defendo sempre o transporte coletivo para resolver as questões de mobilidade urbana. E para chegar às soluções temos que encontrar novas maneiras de manejar as redes de transporte. Esse é o desafio! Neste contexto se inserem os Sistemas Inteligentes de Transportes, ou ITS, porque eles apoiam o transporte público desde o seu planejamento, passando pela operação e gestão.

 

NTU Urbano – Qual seria um exemplo prático dessa aplicação dos ITS como solução para mobilidade urbana?

Cláudio Marte – Por meio desses sistemas monitoramos as vias de uma cidade e podemos decidir quando e onde liberar vias segregadas para o transporte público para a circulação de veículos de transporte individual. Essa é uma medida muito útil e fácil de adotar quando se tem informação e monitoramento permanentes.

 

NTU Urbano – Em quais áreas os ITS se aplicam?

Cláudio Marte – Esses sistemas têm como objetivo dar respostas nas operações na rede de transporte, na multimodalidade de viagem, tarifação, operação de frotas e atividades de coordenação e resposta relacionadas às emergências e desastres. Mas o coração dos ITS é o gerenciamento dos veículos e da operação dos serviços. Na verdade, todas as aplicações são importantes. A multimodalidade, por exemplo, é a descrição das informações ao usuário para que ele possa planejar a viagem no seu dia-a-dia.

 

NTU Urbano – Os ITS então são fundamentais para os Sistemas BRT?

Cláudio Marte – Sem dúvida. O paradigma é o metrô. Os Sistemas BRT se baseiam nos sistemas metro-ferroviários pela maior capacidade operacional, veículos de maior capacidade, vias segregadas, cobrança externa, meios eletrônicos de pagamento, embarque em nível, prioridade semafórica. Para que os BRTs alcancem os níveis mais altos de eficiência, ou seja, menos custos e maior confiabilidade, segurança e conforto, é fundamental a utilização de ferramentas de tecnologia de informação e telecomunicações. A aplicação dos ITS é algo natural e imprescindível.

 

NTU Urbano – É notório que um dos grandes problemas das nossas cidades é a segurança. De que forma os ITS aplicados aos Sistemas BRT podem garantir melhorias nesse sentido?

Cláudio Marte – Prevenção contra colisão, monitoramento preventivo de direção, controle de aglomeração / superlotação, integração com sistemas de segurança pública e emergência, e monitoramento dos veículos interna e externamente, das vias, das estações e dos terminais.

 

NTU Urbano – Em resumo quais são as vantagens dessa aplicação?

Cláudio Marte – Os ITS aplicados aos Sistemas BRT propiciam a prevenção e a segurança para viajante, passageiro e condutor tanto no aspectode evitar a ação de terceiros quanto para prevenir contra riscos operacionais; promovem o planejamento, a programação e o controle do sistema; viabilizam a distribuição, de forma extensiva, atualizada e eficaz as informações estáticas e dinâmicas sobre a rede de transportes e sobre serviços aos usuários; proporcionam a comercialização de créditos desde a sua geração, passando pela distribuição, validação e efetiva arrecadação (bilhetagem) até a compensação permitindo a integração entre diferentes tipos de transportes; e permitem a coordenação entre sistemas de transporte e trânsito, melhorando os serviços de transferência intermodos e priorizando o transporte público em entroncamentos semafóricos.

 

* Cláudio Luiz Marte é doutor em Engenharia Elétrica (Sistemas Digitais) pela USP, atualmente é professor do Departamento de Engenharia de Transportes (PTR) da EPUSP e pesquisador licenciado do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT). Tem experiência na área de Engenharia de Computação, com ênfase em Arquitetura de Sistemas Distribuídos, atuando principalmente com temas como os Intelligent Transport Systems (ITS).

 

Fonte: NTU Urbano – edição 168.

Os comentários estão encerrados.