Atitudes individualistas transformam trânsito em guerra

Recadastramento 2011/2 é feito via Portal do Usuário
12 de julho de 2011
Mais de 50 mil brasileiros são atropelados todos os anos
13 de julho de 2011

O comportamento individualista de motoristas e de pedestres, e a falta de fiscalização policial têm transformado o trânsito de Florianópolis numa guerra de perdedores. Observar o movimento é se deparar com situações que dificultam a mobilidade e aumentam o risco de acidentes, mas que poderiam ser facilmente evitadas. Estacionar em fila dupla ou não dar a vez para o pedestre na faixa, e o pedestre, que praticamente se joga na frente dos carros com o sinal está verde para os automóveis – especialmente na praça 15 e em frente ao Ticen – são reflexos da falta de fiscalização e de educação para o trânsito.

“Falta consciência de risco, as pessoas nunca acham que o acidente vai acontecer com elas. Falta entendimento de que todos vivem em um espaço público e devem respeitar o espaço do outro”, comenta a psicóloga do Detran (Departamento Estadual de Trânsito), Rosângela Bittencourt. Segundo ela, apenas 10% das infrações são notificadas. Os motivos das imprudências são inúmeros e vão desde falta de planejamento de vida até fatores emocionais. “Os pedestres, por exemplo, estão com pressa, não veem o carro vindo e atravessam. O mesmo acontece para motoristas”, analisa.

Por esses motivos, a doutora em engenharia de transportes Lenise Grando Goldner explica que 70% dos acidentes são causados por atitudes humanas, como desrespeito da lei e falta de educação. “Os fatores viários-ambientais representam 25% junto com os humanos. Isso demonstra que buracos na via, falta de sinalização, deficiências na infraestrutura, chuva, neve, entre outros, também causam acidentes, mas o índice não é tão grande”, complementa.

Solução pode estar na educação

Para a professora Lenise Goldner, uma fiscalização efetiva no trânsito e educação poderiam resolver essa guerra no trânsito. “O que outros países tem e nós não temos é justamente isso. A fiscalização forte inibe esse comportamento e promove a educação. Além disso, se desde o ensino fundamental até a faculdade as pessoas tivessem educação no trânsito seriam adultos mais conscientes”, observa.

Porém, a psicóloga Rosângela Bittencourt acredita que a punição das condutas infratoras apenas não faria com que as pessoas mudassem de atitude. “Isso vem da cultura e da educação. A segurança no trânsito depende do bom senso. O indivíduo tem que aprender a se autofiscalizar”, diz.

Na Capital, o diretor de operações do IPUF (Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis) e autoridade municipal de trânsito, Maycon Baldessari, afirma que a Guarda Municipal possui 147 agentes de trânsito.

O ideal para uma fiscalização mais efetiva das imprudências em Florianópolis seria um número muito maior que esse, afirma. “Contamos com a ajuda ainda dos policiais militares, porém seria preciso de 400 a 500 agentes. Ainda falta educação dos motoristas na cidade”, diz ele.

Fonte: ND On-line

Os comentários estão encerrados.