SETRANSP visita Câmara de São Cristóvão

Qualidade no transporte exige estruturação de vias
17 de agosto de 2009
Posto SETRANSP do CEAC RIOMAR reabre dia 26
21 de agosto de 2009

O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Município de Aracaju – SETRANSP – segue na sua jornada de visita aos municípios que fazem parte do sistema de transporte integrado da capital sergipana.

Na noite de ontem, dia 18 de agosto, o empresário esteve na cidade de São Cristóvão, onde era aguardado pelos vereadores da Câmara Municipal.

Durante a visita, Adierson teve a oportunidade de traçar um panorama do sistema em Aracaju e na Grande Aracaju apresentando dados estatísticos que deram aos parlamentares a possibilidade de conhecer mais a fundo as dificuldades pelas quais passa o setor e das possíveis soluções para a melhoria do serviço.

“Nossa missão é contribuir para a qualidade de vida da população. No entanto, há anos, a tarifa praticada não corresponde à definida tecnicamente pela planilha tarifária. Considerando que temos um sistema 100% integrado sem qualquer subsídio governamental, a situação fica ainda pior”, destaca Adierson.

Para dar uma idéia da dimensão do problema, atualmente, o setor acumula uma receita não auferida de quase R$ 83 milhões, o que daria para adquirir 331 veículos. Mesmo assim, afirma Adierson, “o setor está fazendo um esforço para cumprir o compromisso assumido de comprar 100 novos ônibus que devem ser entregues até outubro deste ano”.

A renovação da frota por si só, no entanto, não será capaz de garantir a qualidade do transporte público. “Para dar velocidade ao sistema é preciso haver um projeto de transporte para a cidade. A fluidez do trânsito e a estruturação da infra-estrutura viária exigem planejamento e ações públicas efetivas. A priorização do transporte público em detrimento do individual também se faz necessário no Plano Diretor de Aracaju”, explica o presidente do SETRANSP.

Atento às argumentações de Adierson Monteiro, o vereador Carlos Umbaubá considerou de grande valia o debate. “Foi bastante útil para desmistificar os estigmas e contribuir de uma forma participativa para melhoria do serviço. Vemos subsídio para tudo no país, com boa vontade política o Governo Federal poderia sim contribuir de forma mais efetiva para a qualidade do transporte público. O que falta para que as propostas de desoneração dos custos do setor propostos pela Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano – NTU – sejam aprovadas?”, indaga ele.

As propostas sobre as quais Umbaubá se referiu envolvem a redução de 50% no preço do óleo diesel; da alíquota do ICMS sobre os veículos e das de PIS e COFINS incidentes sobre o serviço; do ISS e das taxas municipais para até 5% sobre o faturamento; alteração do cálculo do INSS patronal e do SAT.

 

Também está entre as propostas da NTU a destinação de recursos do orçamento da União, por conta da seguridade social, para cobertura da gratuidade dos idosos; e  a uilização dos recursos do FNDE para custeio dos descontos tarifários concedidos por meio dos passes escolares. Tudo isso junto representaria uma redução total nos custos do setor superior a 40%.