Transporte público é penalizado com desequilíbrio econômico

Nota sobre preço do diesel para o transporte público
14 de junho de 2018
Aracajucard faz cadastramento itinerante de cartão pré-pago e divulga promoção Passagem Premiada
20 de junho de 2018

Preço do combustível parece ter diminuído pós paralisações, mas ainda soma um aumento de 15,90% só de 2017 para cá

Enquanto o setor do transporte coletivo de Aracaju e da região metropolitana enfrenta o envelhecimento da frota de ônibus sem renovação, e redução de investimento e de postos de trabalho, as despesas para a prestação do serviço só aumentam. A conta que definiria o serviço em Aracaju, o custo da operação do serviço dividido pelo número de passageiros pagantes, não está batendo. De acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Aracaju (Setransp), nos últimos cinco anos o número de passageiros pagantes caiu em 22,7% enquanto que as gratuidades subiram 63%, os custos com mão de obra aumentaram 40,88% e o preço do combustível deu um salto de 72,38%. Esse retrato quanto ao diesel chegou a ser questionado quando, após a intervenção do Governo Federal decorrente das paralisações e desabastecimento de combustível no país, o valor do preço do diesel que já estava em R$ 3,61 foi para R$ 3,16. No entanto, mesmo com esse breve declínio no valor, o reajuste sofrido no preço do combustível para os ônibus, desde agosto de 2017 – quando era R$ 2,73, época em que foi calculada a tarifa de ônibus vigente – até o valor médio atual, ainda soma um acréscimo de 15,90%.

“Esse é um problema que precisa ser tratado de forma técnica para preservar um sistema que atende a 75% da população. É necessário o equilíbrio entre receita e custo do sistema através de reajustamento tarifário, mas também unindo à desoneração dos impostos sobre a operação do serviço. Os últimos dez ônibus do sistema foram comprados no final de 2015, e a renovação da frota é uma necessidade imprescindível para a qualidade da operação. Essa situação precisa ser debatida entre os gestores para que o sistema, que tanto serve à população e ao desenvolvimento da cidade, não entre em total colapso”, atentou o presidente do Setransp, Alberto Almeida.

Para agravar ainda mais a situação de queda de passageiros pagantes, a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) de Aracaju autorizou a circulação de um volume de carros particulares como lotação para atender o deslocamento entre Nossa Senhora do Socorro e Aracaju, retirando, com isso, uma parcela significativa de passageiros do sistema coletivo. Segundo o Setransp, a tarifa de ônibus calculada à época, considerando de forma técnica todos os custos do sistema, foi de R$ 4,06, contudo, o valor foi reajustado para R$ 3,50, já estabelecendo, assim, um déficit de 13,79%. Dessa forma, a tarifa de ônibus já não vem cobrindo com os custos do serviço de transporte como se propõe.

Nacionalmente, o setor do transporte público urbano em todo o país continua a reforçar a necessidade de desoneração do preço combustível, como já é adotado em alguns Estados, para a operação do serviço, como uma das medidas de combate ao desequilíbrio econômico-financeiro enfrentado pelas empresas de ônibus atualmente. O setor em Aracaju encaminhou à em janeiro e maio deste ano e, novamente, nesta sexta-feira, 15, as atualizações da planilha de custos do serviço do transporte coletivo com os insumos que sofreram reajustes e, com isso, apontam o déficit entre o atual valor tarifário e o que seria tecnicamente necessário. Já considerando a redução do preço do combustível para o valor de R$ 3,16, a tarifa ideal seria aproximadamente R$ 4,40.

Um valor que pode assustar a população, porém é a consequência do desequilíbrio econômico criado no sistema de transporte da capital sergipana, que, inclusive, não conta com nenhuma forma de subsídio ou desoneração. “Não é de interesse das empresas de ônibus aumentar a tarifa, ao contrário, se ela fosse reduzida, sob o efeito da desoneração dos custos e o incentivo ao aumento do número de passageiros, seria ainda mais atrativa ao cidadão, mas para que isso aconteça o transporte precisa antes ser tratado, de fato, como um direito social, sendo prioridade nas defesas pela melhor mobilidade das pessoas”, considerou Alberto Almeida, presidente do Setransp.

Ascom Setransp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *