Setransp defende prioridade ao transporte coletivo com as faixas exclusivas

Faixas exclusivas garantem redução do tempo de deslocamento dos passageiros de ônibus
20 de novembro de 2017
Faixas exclusivas favorecem mobilidade da população, defendem motoristas
27 de novembro de 2017

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Aracaju (Setransp) destaca que a retirada das placas de identificação das faixas exclusivas a ônibus, buscada pelo Ministério Público Estadual na Justiça, descaracteriza a evolução em mobilidade urbana que Aracaju conquistou com a implantação de uma via prioritária para o transporte coletivo. Sem as placas de identificação, os veículos particulares estarão à vontade para circular nas vias destinadas aos ônibus, que tanto beneficiaram o deslocamento dos passageiros em suas rotinas diárias.

 

Mesmo com apenas dois percursos de faixas exclusivas – trechos Porto Dantas/ Beira Mar e Tancredo Neves – o transporte público da capital sergipana conquistou uma redução no tempo das viagens em mais de 30%, isso em trajetos de congestionamentos em horário de pico significou uma redução em mais de 20 minutos no deslocamento. É mais tempo para saúde, educação, emprego, cultura, lazer, sem falar na redução dos riscos de acidentes de trânsito, haja vista que a faixa exclusiva reserva ao ônibus um fluxo livre da disputa com veículos particulares por espaço no trânsito.

 

Implantadas em Aracaju em março de 2016, as faixas exclusivas e prioritárias compreendem uma extensão de mais de 35 KM (ida e volta) e atendem uma demanda de 80 mil passageiros por dia nas 23 linhas que circulam nas faixas. “É preciso entender que o transporte público serve a 70% da população em uma cidade e conta com somente 20% das vias para um fluxo livre. As faixas são uma evolução que prioriza a maioria, pensando no bem coletivo, e que gera previsibilidade de chegada para o passageiro. E quando são fiscalizadas nos horários de pico, só contribuem para o aprimoramento do tráfego, tendo em vista que um automóvel leva 1,4 pessoas enquanto um ônibus, 50 a 60 pessoas cada. Imagine se cada pessoa dessa precisasse de um veículo particular para se deslocar?”, ponderou o presidente do Setransp, Alberto Almeida.

 

 

Capitais e cidades brasileiras depositaram nas vias exclusivas para o transporte coletivo suas expectativas para iniciar o processo de uma melhor fluência do trânsito, e deu certo. As faixas para ônibus passaram a ser consideradas por especialistas em trânsito como sinônimo de mobilidade urbana, uma vez que distribui de forma justa as vias públicas favorecendo a maioria da população que tem o ônibus como principal veículo de tráfego cotidiano. Além de ainda contribuir também para com o meio ambiente, com a redução no consumo de combustível, e, consequentemente, na emissão de gases poluentes.

 

Passageiros confirmam

 

Quem usa ônibus sabe do benefício das faixas exclusivas. O trabalhador Marcos Luiz diz: “é uma melhoria sem dúvida. Eu chego mais cedo ao meu trabalho, levava quase 40 minutos para chegar ao (Conjunto) João Alves. Agora chego em 20 a 25 minutos dependendo do trânsito. O que falta é só cada um respeitar e fazer sua parte”, frisou ele. Já o carteiro Helder de Araújo vai além: “eu utilizo ônibus o dia todo, são muitos bairros percorridos e preciso manter a pontualidade. O trânsito sempre foi um empecilho para mim, mas com as faixas exclusivas isso mudou. Esse foi um passo certo para o transporte”.

 

Nota SMTT

Em nota, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) frisou que estará entrando com um recurso contra a retirada das placas de identificação das faixas exclusivas e até a conclusão do processo a fiscalização quanto ao uso das vias destinadas a ônibus segue. Nota na íntegra:

“A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) confirma que foi notificada pela Justiça para que retire as faixas exclusivas para o transporte público existentes em Aracaju. O órgão recorrerá da decisão e esclarece que, enquanto o processo não for finalizado, a dinâmica de circulação de veículos nas faixas continua a mesma: permitidas aos sábados, domingos, feriados durante todo o dia; e das 20h da noite às 6h da manhã em dias úteis. O condutor que não respeitar estes horários está sujeito à multa de R$ 88,38 e três pontos na carteira. As faixas exclusivas reduziram o tempo de viagem dos veículos de transporte público e tem boa receptividade entre os usuários do serviço. A SMTT estuda como otimizar este recurso nas áreas onde elas já existem e aplicá-lo em outras vias da cidade. (Assessoria de Comunicação da SMTT).”

 

Da Ascom Setransp 

Os comentários estão encerrados.